Cabelo para o Carnaval

Estamos em pleno sábado e você ainda não decidiu o que fazer com seu cabelo para pular o Carnaval? Conversei com Solange Ferreira, que já foi rainha de bateria da Vai Vai, coreógrafa de escola de samba e hoje é professora de dança afro e samba no pé na Pulsarte (entre outras mil atividades que ela exerce).

As dicas da Solange são fáceis de realizar e você pode usar os acessórios que já tem em casa para criar um visual bonito e divertido. Solange só faz uma ressalva: “A vaidade é importante, mas não pode restringir a diversão”. Portanto, não use nada que possa danificar seu cabelo ou machucar sua cabeça. Conforto é fundamental.

O primeiro penteado pode ser feito até em cabelos mais curtos e dá um efeito incrível: é uma trança com duas mechas. Ótima sugestão para as meninas que estão na fase de transição. Read the rest of this entry »

Chapinha em excesso danifica os fios

Responda rápido: quantas vezes por semana você passa chapinha no seu cabelo? O uso da chapinha se popularizou tanto, que é impossível pensar em ter o cabelo liso sem o uso do aparelho.

Mas para quem tem cabelo crespo natural ou está na fase de transição, as altas temperaturas produzidas pela chapinha podem provocar danos irreversíveis nos fios. O calor em excesso do aparelho em contato direto com os fios pode deixar os cabelos ressecados, quebradiços e até queimados.

Além disso,  também pode alterar completamente a estrutura do cabelo crespo: os fios vão perdendo o enrolado natural; o cabelo fica com um aspecto estranho, nem liso, nem crespo. Este processo é irreversível. Para recuperar o padrão de ondulação que o cabelo tinha, será necessário cortar o cabelo e esperar que cresça novamente.

Para quem tem o cabelo quimicamente tratado, os riscos são ainda maiores, já que a química deixa o cabelo mais fragilizado.

Sei que algumas meninas (especialmente as que estão em transição) usam chapinha quase todos os dias. O que é preciso ter em mente, é que o dano causado pelo uso frequente da chapinha é acumulativo. O efeito negativo acontece em cada seção. Por este motivo, o ideal é usá-la o mínimo possível. O recomendado é uma vez por semana. Para manter o cabelo lisinho no resto da semana, você pode fazer uma toca antes de dormir.

Sinais de que a chapinha está danificando seus cabelos: fios ásperos, ressecados, com pontas duplas, além de dezenas de fios quebrados (é só passar um ventinho, que eles ficam eriçados, não há serum que dê jeito).

Cuidados na hora de fazer a chapinha

- Chapinha e cabelo sujo não combinam. Os fios devem estar limpos, no máximo um dia após a lavagem. Para proteger os fios, depois da lavagem, faça uma hidração profunda.

- Antes de usar chapinha, passe um produto termoativado (leave in, serum). Desta forma, vai criar uma camada protetora que irá preservar a oleosidade natural dos fios.

- Evite usar o aparelho nas temperaturas mais altas. E desligue a chapinha de tempos em tempos para evitar o superaquecimento.

Quando for comprar o aparelho:

- Invista em aparellhos de boa qualidade (ion, cerâmica, turmalina, etc). Desconfie de chapinhas muito baratas.

- É fundamental que a chapinha tenha um botão para o controle da temperatura (termostato).

Uma observação: tudo que foi dito para a chapinha também vale para o modelador de cachos (babyliss) e o secador de cabelo. Portanto, use-os com moderação.

Agradecimento

Apesar da correria de 2011, tinha de fazer um post de agradecimento a todos vocês que acompanharam o blog durante o ano, que participaram dando sugestões, enviando emails (se você ainda não recebeu minha resposta, fique tranquila porque vou responder todos os emails) e contaram suas histórias. Muito, mas muito obrigada mesmo!

Para o mês de janeiro de 2012, já estou preparando uma série de posts com o foco no verão. E o blog vai ter atualizações frequentes (com o término da pós, vou conseguir me dedicar mais ao blog). Fiquem ligados!

Desejo que vocês tenham um 2012 maravilhoso, cheio de realizações e boas notícias.

Mais uma vez, super obrigada do fundo do meu coração e até janeiro!

Texturização sem química

Vi esta foto da cantora Corinne Bailey Rae e lembrei-me de uma técnica que pode ser muito útil para as meninas que estão na fase de transição: a texturização sem química.

A texturização nada mais é do que mudar o padrão de ondulação dos fios. Existem diferentes maneiras de texturizar o cabelo crespo sem usar produtos químicos: com tranças, torcidinhos, bobes, bigudinhos, etc.

Para as meninas que estão em fase de transição é um ótimo recurso para disfarçar a diferença entre a raiz crespa e as pontas alisadas. Já para quem tem cabelo crespo natural é uma boa maneira de deixar os fios mais maleáveis para fazer vários tipos de penteados.

Descobri esta técnica sozinha aos tinha 15 anos, observando as ondulações que a trança deixava nos meus fios. Sempre fazia no meu cabelo alisado para dar volume e fugir dos fios super esticados.

Como fazer:

1- Lave e condicione os cabelos

2- Desembarace bem os fios, aplique leave-in e divida o cabelo em mechas. Prenda cada mecha com um grampo para facilitar na hora de trançar o cabelo.

3- Trance cada mecha e no final de cada trança coloque um elástico (o de silicone é melhor), para evitar que a trança se desfaça. Se as mechas começarem a secar antes de trançar, borrife um pouco de água para umedecer novamente os fios. Lembre-se: quanto mais larga for a trança, maior será a ondulação.

4- Fique com o cabelo trançado pelo menos um dia, para fixar bem as ondas.

5- Na hora de desmanchar as tranças, as meninas com cabelo crespo natural podem passar nas mãos um pouco de azeite de oliva ou óleo de coco (sem exagerar na quantidade). Passe as mãos com o óleo em cada trança para evitar que o cabelo fique arrepiado (frizz).  Quem está com o cabelo alisado não precisa fazer este processo.

6- Não use pentes. Passe os dedos entre os fios para unir todas as mechas. Assim o cabelo ficará com aspecto uniforme.

7- Na hora de dormir, refaça as tranças. Se sentir que o cabelo está ressecado, passe um pouco de óleo de coco (para o crespo natural) ou leave-in (para quem tem química nos fios). Coloque um lenço de seda para evitar que os fios fiquem arrepiados.

A texturização com tranças é mais indicada para cabelos no comprimento médio ou longo. Nos cabelos muito curtos, a ondulação não aparece.

Só mais uma coisinha: a Corinne Bailey Rae tem o cabelo crespo natural e  faz a texturização com tranças. Observe como o comprimento dos fios faz toda a diferença.

Penteados para cabelo crespo

Decidi fazer este post depois de ver a foto de um penteado que minha irmã fez para ir numa festa. Ela mora no interior de São Paulo e sempre que tem algum evento, liga para mim pedindo ideias de como arrumar o cabelo. Depois de ficar horas falando comigo ao telefone, foi num salão perto da casa dela e o que aconteceu? Acabou fazendo escova e passando chapinha no cabelo para fazer um coque!

Perguntei se realmente era preciso alisar o cabelo para fazer um penteado. Ela contou que a cabeleireira disse que penteados em cabelos crespos só ficam bons após uma escova ou chapinha. E como não era um penteado afro, não fazia sentido deixar o cabelo ao natural. Como?

Bom, para provar que é possível fazer penteados da moda sem ter que fazer escova ou chapinha, aqui estão algumas sugestões. Observe como a textura e o volume do cabelo crespo valorizam, e muito, todos os looks. E o resultado é incrível! Quem disse que é preciso alisar o cabelo crespo para fazer um penteado sofisticado?

Este é um ótimo exemplo de como o cabelo crespo é perfeito para fazer os coques desconstruídos que estão na moda.

Yaya da Costa é uma das poucas atrizes de Hollywwody que assume os fios naturais. Observe que na parte da frente foi feito tranças para criar ondulações mais largas e, assim, elaborar um penteado que mistura dois tipos de textura.

Aqui, Yaya aparece com outra versão de cabelo preso, num coque baixo que mantém o volume dos crepo natural.

O que adoro neste coque no melhor estilo atriz-de-hollywood-no-tapete-vermelho é o jogo de entrelaçamentos entre  fios lisos e crespos. A construção do coque é extremamente elaborada, e é claro que neste caso é preciso de um profissional. Mas o que acho incrível é que este penteado comprova como é possível brincar  e criar diferentes texturas com o cabelo crespo. E acima de tudo, como a própria textura do cabelo crespo, com suas micro-ondulações, pode ser usada para elaborar qualquer penteado da moda. É só usar a criatividade.

Fator encolhimento

Uma das coisas que mais incomodam quando se assume os crespinhos naturais é o tempo que ele leva para crescer. Algumas vezes temos a sensação de que o cabelo não sai do lugar.

Na verdade, o cabelo cresce sim, e muito bem. O que acontece é que não levamos em consideração o que chamo de “fator encolhimento”.  O que é isso?

Por causa do formato dos fios (em espiral ou zigue-zague), o cabelo pode encolher de 50% a 80% do seu comprimento atual. Isto significa que ele vai aparentar ter a metade do comprimento que ele tem de fato.

Você sabe bem do que estou falando. Quando você puxa uma pequena mecha, deixando-a bem esticada, o fio pode bater nos ombros. Mas quando você solta a mecha, ela vai parar na altura da orelha.

Peguei dois fios do meu cabelo e fotografei um esticado e o outro enrolado. A foto não ficou muito boa, mas já dá para ter uma ideia do “efeito mola”.

Pode parecer um pouco decepcionante, mas esta é uma das características do cabelo crespo e faz parte do processo de ter o cabelo natural.  Se você não gosta deste “efeito mola”, vai precisar aprender a conviver com ele.

Se você optou pelo corte radical, terá que esperar de oito meses a um ano até que o comprimento do cabelo apareça de modo mais significativo.

Também não é fácil para as meninas que estão na fase de transição do alisado para o crespo, porque terão que agüentar por um bom tempo o volume dos crespos perto da raiz e as pontas lisas.

Portanto, é preciso ter paciência e se manter firme até o cabelo ficar do jeito que deseja. Enquanto isso, um bom truque é usar um leave-in mais espesso, porque define mais os cachos e evita que fiquem tão colados na raiz.

Óleo de coco

Algumas meninas pediram para falar sobre o óleo de coco. E vocês sabem como fico animada quando o assunto é óleo vegetal.

Por ser rico em vitamina E e ácidos graxos, o óleo de coco fortalece e hidrata profundamente os fios (é um dos poucos óleos que consegue penetrar na cutícula do cabelo).

Quando for comprá-lo, certifique-se de que é virgem, ou seja, foi extraído sem nenhum processo de refinamento e não foi misturado com outro tipo de óleo. Na embalagem deve estar escrito “prensado a frio”.

Outro detalhe importante: experimente o óleo antes de usá-lo. O óleo virgem deve ter o sabor e o aroma do coco. Se sentir algum amargor ou se o cheiro não for agradável, é sinal de que o óleo está rançoso. Neste caso, troque o óleo no estabelecimento onde comprou.

Dependendo da região que você mora, o óleo de coco pode estar solidificado; fica branquinho, parecido com a banha. Isto ocorre porque ele endurece em temperaturas abaixo de 22 graus (acho mais gostoso usá-lo quando está assim, porque fica parecido com um creme).

Óleo de coco solidificado

Como uso o óleo

O óleo de coco é um dos meus preferidos, junto com o de oliva e o de abacate, para hidratar os crespinhos naturais. A diferença é que com o uso constante, percebi que o óleo de oliva dá um efeito incrível quando usado quente (como expliquei neste post aqui).  Já o óleo de coco funciona muito bem para passar todo dia.

Sim, dá para passar o óleo todo dia sem que o cabelo fique oleoso. O segredo é a quantidade. Passo o equivalente a uma colher de chá. Esfrego o óleo entre as mãos e passo por todo o cabelo.

Se você tiver muito cabelo, pode passar mais um pouco. Para não errar, o melhor “método” é usar o dedo indicador. Você vai encostar levemente o dedo no óleo (falei encostar e não mergulhar o dedo).

A quantidade de óleo que ficar na ponta do dedo, você vai esfregar entre as mãos e passar no cabelo começando pela parte da frente. Repita o processo, até passar em todo o cabelo. Esta é a melhor forma para descobrir a quantidade certa para a sua cabeleira.

Se o óleo estiver sólido, use uma colher de chá. Comece com meia colher e vá passando mais, conforme a necessidade.

Você vai perceber que o óleo de coco é absorvido rapidamente pelo cabelo, as mãos não ficam oleosas (se ficarem é porque está passando demais).

Este ritual pode ser feito antes de dormir (assim acordará com o cabelo mais maleável) ou de manhã (depois que umedecer os fios, passe o óleo de coco e, em seguida, o leave-in).

Assim que você passar o óleo no cabelo, vai sentir um cheiro forte de cocada, mas não se assuste, o cheiro desaparece depois que passar o leave-in.

Quem tem cabelo muito crespo (meu caso) ou carapinha vai notar como os fios ficam muito mais maleáveis e fáceis de lidar. E como o ressecamento vai diminuir visivelmente.

Já as meninas que estão em fase de transição, devem ter cuidado redobrado ao usar o óleo, porque como o cabelo está com duas texturas diferentes, a parte alisada pode ficar oleosa.

Experimente usar o óleo de coco no tratamento de óleo quente. Fica muito bom quando misturado com o azeite (use 50% de cada um).

Uma dica para as mamães: o óleo de coco é excelente para o cabelinho das crianças, especialmente após as lavagens. Como é natural, pode ser usado em crianças de todas as idades.

Mais  uma dica: o óleo de coco não é bom só para o cabelo, ele também faz muito bem à nossa saúde. Você pode usá-lo para cozinhar os alimentos ou tomá-lo puro (cerca de duas colheres de sobremesa por dia). Ele fortalece o sistema imunológico e diminui o colesterol, entre outros benefícios.

Como na embalagem vem bastante óleo (cerca de 200 ml, o vidro pequeno), separo em um pote menor uma boa quantidade para o cabelo, e o resto que fica no vidro fica para uso culinário.  Gosto do da marca Copra e da Dr. Orgânico (óleo excelente, importado da Filipinas).

Tranças na passarela

Adorei o cabelo que a estilista Paula Raia escolheu para completar o look das modelos na passarela do São Paulo Fashion Week (verão 2012). Para deixar as tranças mais grossas, foram usados apliques.

A foto é só para lembrá-la do quanto a trança pode ajudar a valorizar o seu visual. Não só as meninas de cabelo crespo natural, mas também para quem está na fase de transição. Tem mais sugestões de penteados com trança neste post aqui.

Qual a hora certa para aparar o cabelo?

Para quem tem cabelo crespo, nada assusta mais do que uma tesoura. Já tive algumas experiências bem traumáticas no cabeleireiro, daquelas que você entra com o cabelo comprido e sai no estilo joãozinho.

Embora muitas meninas acreditem que quanto mais tempo ficar sem cortar, mais o cabelo irá crescer, isto não é verdade. Aparar o cabelo é fundamental e deve ser feito pelo menos a cada três ou quatro meses.

Um dos sinais de que chegou a hora de aparar os fios é quando eles ficam ressecados e quebradiços, mesmo após uma hidratação. Você vai notar que não importa a quantidade de leave-in que passe, o cabelo fica sempre com cara de maltratado.

Outro sinal importante é o aparecimento de pontas duplas e o excesso de frizz. Quando você observa seu cabelo no espelho, percebe que da raiz até a metade do fio está hidratado, mas as pontas estão arrepiadas (mesmo depois de passar sérum ou silicone). Como as pontas duplas não podem ser reparadas, o ideal é cortá-las. Caso contrário, o cabelo ficará sempre danificado.

Mais um sinal: se você tem a impressão de que seu cabelo cresce devagar ou parou de crescer, comece a apará-lo com mais freqüência e use produtos apropriados para evitar as quebras dos fios.

O cabelo crespo natural que não é aparado regularmente, também não retém muito bem a hidratação e fica difícil de pentear.

Mas o quanto se deve cortar? Geralmente, eu tiro de meio a um centímetro, mas é claro que isso depende do quanto o cabelo está danificado.

Quem está na fase de transição do alisado para o crespo natural, pode tirar uns 2,5 centímetros das pontas alisadas, assim a parte natural crescerá mais rápido.

Como aparar?

Cada cabeleireiro tem suas preferências. Alguns profissionais gostam de cortar depois que o cabelo foi seco com secador, porque acreditam que dá para ver melhor as pontas danificadas.

Outros preferem os fios úmidos, porque os cabelos crespos ficam mais maleáveis. E há ainda aqueles que penteiam todo o cabelo seco para cima para retirar as pontas.

Eu gosto de aparar meu cabelo quando está úmido, e quando não dá para ir ao cabeleireiro, é minha mãe que entra em ação. Conforme ela vai aparando, sempre é preciso borrifar um pouco de água para manter os fios sempre umedecidos.

Mais um lembrete: a melhor maneira de cortar o cabelo crespo é com tesoura, navalha nem pensar! A tesoura precisa ser de qualidade para garantir um bom corte. Comprei a minha na Ikesaki, não é barata, mas como que sempre digo, vale o  investimento.

Quando for ao salão, certifique-se de que o cabeleireiro realmente sabe cortar cabelo crespo (vou fazer um post sobre isto).

Sugestão de corte de cabelo

Tenho que confessar que não sou leitora da revista Boa Forma, mas ao olhar este corte de cabelo não resisti e acabei comprando a revista por causa de uma página.

Na foto dá para ver o antes e o depois. O corte foi feito pela hairstylist Adriana Lobão do Instituto de Beleza Natural, do Rio de Janeiro (sei que algumas meninas são clientes deste salão).

Embora a garota da foto tenha o cabelo mais para o cacheado, o corte funciona muito bem para cabelos mais crespos.

O que gostei? O formato do corte é triangular, com fios distribuídos em camadas com comprimentos iguais.

Outra coisa que vale ressaltar: como o rosto ficou mais exposto com o cabelo curto, dá para perceber como uma bela maquiagem e o acessório fazem toda a diferença?