Chapinha em excesso danifica os fios

Responda rápido: quantas vezes por semana você passa chapinha no seu cabelo? O uso da chapinha se popularizou tanto, que é impossível pensar em ter o cabelo liso sem o uso do aparelho.

Mas para quem tem cabelo crespo natural ou está na fase de transição, as altas temperaturas produzidas pela chapinha podem provocar danos irreversíveis nos fios. O calor em excesso do aparelho em contato direto com os fios pode deixar os cabelos ressecados, quebradiços e até queimados.

Além disso,  também pode alterar completamente a estrutura do cabelo crespo: os fios vão perdendo o enrolado natural; o cabelo fica com um aspecto estranho, nem liso, nem crespo. Este processo é irreversível. Para recuperar o padrão de ondulação que o cabelo tinha, será necessário cortar o cabelo e esperar que cresça novamente.

Para quem tem o cabelo quimicamente tratado, os riscos são ainda maiores, já que a química deixa o cabelo mais fragilizado.

Sei que algumas meninas (especialmente as que estão em transição) usam chapinha quase todos os dias. O que é preciso ter em mente, é que o dano causado pelo uso frequente da chapinha é acumulativo. O efeito negativo acontece em cada seção. Por este motivo, o ideal é usá-la o mínimo possível. O recomendado é uma vez por semana. Para manter o cabelo lisinho no resto da semana, você pode fazer uma toca antes de dormir.

Sinais de que a chapinha está danificando seus cabelos: fios ásperos, ressecados, com pontas duplas, além de dezenas de fios quebrados (é só passar um ventinho, que eles ficam eriçados, não há serum que dê jeito).

Cuidados na hora de fazer a chapinha

– Chapinha e cabelo sujo não combinam. Os fios devem estar limpos, no máximo um dia após a lavagem. Para proteger os fios, depois da lavagem, faça uma hidração profunda.

– Antes de usar chapinha, passe um produto termoativado (leave in, serum). Desta forma, vai criar uma camada protetora que irá preservar a oleosidade natural dos fios.

– Evite usar o aparelho nas temperaturas mais altas. E desligue a chapinha de tempos em tempos para evitar o superaquecimento.

Quando for comprar o aparelho:

– Invista em aparellhos de boa qualidade (ion, cerâmica, turmalina, etc). Desconfie de chapinhas muito baratas.

– É fundamental que a chapinha tenha um botão para o controle da temperatura (termostato).

Uma observação: tudo que foi dito para a chapinha também vale para o modelador de cachos (babyliss) e o secador de cabelo. Portanto, use-os com moderação.

Creme modelador de cachos

 

A Karina Carmelino perguntou qual a diferença entre o modelador de cachos e o leave-in.  Como sei que este assunto interessa a todas as meninas, achei que valia a pena fazer um post.

Para saber mais detalhes sobre este tipo de creme, conversei com Delane D’Azevedo, gerente de produtos na área de transformação e coloração da Niely. Abaixo segue o nosso bate papo.

Blog: Qual a diferença entre creme modelador de cachos e leave-in?

Delane: O modelador de cachos possui uma fórmula mais aprimorada, mais concentrada, que tem como objetivo reduzir o volume, dar mais brilho e controlar o frizz.

Com isso os cachos ficam mais definidos e, como o próprio nome do produto já diz, mais modelados. Proporcionando mais beleza aos cachos e valorizando sua forma.   

Já o leave-in é um produto mais leve, indicado para quem possui cabelos lisos com volume ou ondulados com volume. Pois não tem o poder de modelar os cachos.

Blog: Isto quer dizer que o creme modelador de cachos é mais indicado para cabelos crespos do que o leave-in? 

Delane: Isso depende do que a consumidora de cabelos crespos quer. Se ela deseja reduzir bem o volume dos cabelos, o leave-in não lhe atenderá. Mas se deseja apenas desembaraçar, dar brilho e manter os cabelos comportados em relação aos fios arrepiados, o indicado é o leave-in. 

 Blog: Qual a forma correta de utilizar o creme modelador de cachos? Qual a quantidade adequada?

Delane: A forma correta de utilizar no dia-a-dia é lavar sempre os cabelos com o xampu e condicionador, e logo após aplicar o produto sem enxágue, seja ele modelador ou leave-in.

É muito importante que os cabelos estejam sempre limpos para aplicar o produto sem enxágue, pois se o cabelo não estiver limpo, o acúmulo de produtos (o famoso efeito build up) poderá causar caspa e oleosidade excessiva aos cabelos.

Em relação à quantidade, normalmente os cabelos com cachos necessitam de uma quantidade superior a uma moeda de um real.

Blog: Como o creme modelador de cachos atua no cabelo e por que o produto consegue enrolar ou acentuar o formato dos fios?

Delane: O produto consegue modelar os cachos por conter em sua fórmula uma mistura de matérias-primas específicas com o objetivo de moldar os fios, como o silicone e o hidroxietilcelulose (dá densidade aos líquidos e facilita o penteado).

Blog: Tem leitoras que usam o creme modelador de cachos e em seguida passam silicone. Isto realmente é necessário?

 Delane: Sim. Para os cabelos extremamente ressecados e com muito frizz, que são características bem particulares de quem possui cabelos crespos e cacheados, o silicone auxilia na questão do brilho e na redução de frizz.

O cuidado que se deve tomar é em relação à quantidade e o excesso de aplicações durante o dia, para não deixar o cabelo com aspecto “pesado”, oleoso e sujo.

 Blog: Na hora de comprar o creme modelador de cachos, o que devemos prestar atenção na fórmula para saber se o produto realmente é bom?

Delane: As fórmulas normalmente necessitam dos ativos de tratamento, tais como aloe vera, manteiga de karité, cupuaçu, dentre outros. A consumidora deve estar atenta a esses ativos, além da marca. 

Blog: O creme modelador de cachos é mais indicado para quem tem química no cabelo ou pode ser usado em cabelos crespos naturais?

Como este produto não possui o poder de transformar o fio quimicamente, ele pode ser usado por qualquer cabelo que tenha a necessidade de modelar e domar os cachos, sejam eles tratados quimicamente ou naturais. 

————————————————-

Antes de finalizar, gostaria de reforçar o que Delane disse sobre a quantidade certa de modelador para usar no dia-a-dia. Cuidado para não exagerar porque este tipo de creme, por ser mais concentrado, realmente deixa o cabelo oleoso e pesado.

Como quem tem cabelo crespo não lava os fios todos os dias, o creme vai acumular demais nos cabelos. Portanto, não é preciso passar a mesma quantidade diariamente.  Você pode apenas usar o produto nas áreas em que seu cabelo estiver mais ressecado.

Como meu cabelo ainda está curto, não tenho usado cremes modeladores de cachos porque realmente reduzem o volume.  Mas as meninas que não gostam de cabelos muitos volumosos, podem se beneficiar com uso do produto.

Quem tem cabelo relaxado ou com permanente afro deve redobrar o cuidado na hora de aplicar o produto. Passe o creme aos poucos para não deixar o cabelo emplastrado.  Não é preciso passar todos os dias. Você pode umedecer o cabelo com água e modelar os fios com as mãos.

Para saber qual é o creme certo para seu cabelo, o melhor jeito é experimentar.  Quando usava modelador de cachos, cheguei a experimentar dos mais baratos aos mais caros (Pantene, Seda, Lanza), mas meu cabelo gostava muito dos da Natuhair.

Diferença entre leave-in e creme para pentear

Algumas meninas perguntaram a diferença entre leave-in e creme para pentear (ou condicionador sem enxágue). Na verdade, não existe diferença alguma. É o mesmo produto com nomes diferentes: um em inglês e outro em português.

O leave-in foi lançado no final dos anos de 1990 e considero uma das invenções de maior impacto para o segmento de cabelos étnicos.  Antes do leave-in o que nos restava? Pomadas pesadas e ceras a base de petróleo que deixavam o cabelo gorduroso.

Alguém se lembra do Óleo de Lavanda Bourbon? Pois era o que eu usava. Passava nos cabelos após a lavagem, ou antes de passar a chapinha. Deixava um cheiro maravilhoso nos fios, mas era a única alternativa (sei que a Ikesaki ainda vende este óleo).

O que o leave-in tem de bom?

– É um produto que altera a aparência do cabelo crespo, deixando-o muito mais maleável

– Controla o ressecamento dos fios, devolvendo oleosidade natural perdida entre as lavagens

– Nutre e revitaliza cabelos danificados, porque contem proteínas, vitaminas, extratos de frutas e óleos essenciais

– Protege os fios contra os danos do meio ambiente

– Deixa o cabelo mais fácil de desembaraçar

– E o melhor de tudo: possibilita que nosso crespinho natural fique solto, com os cachos definidos e volume na medida certa!

Existe uma grande variedade do produto no mercado, e você pode encontrá-lo com diferentes consistências – de cremosa a líquida.

O segredo do leave-in é descobrir a consistência certa para seu cabelo e a qual a quantidade que deve usar todos os dias (portanto, não tenha medo de experimentar vários produtos).

Além disso, analise os ingredientes contidos na fórmula. Sempre dou preferência aos que contém maior quantidade de produtos naturais como óleos de abacate, jojoba, coco, vitaminas A e E, óleos essenciais e queratina.

Já experimentei as versões líquidas, mas não deram certo. Para meu cabelo, o mais indicado são os de consistência cremosa.

Cuidados

Como o leave-in forma uma película protetora ao redor dos fios, é bom evitar o contato do creme com o couro cabeludo, para não provocar o aumento de sebo.

Quem tem cabelo crespo natural, pode aplicá-lo em toda a extensão do fio, uma vez que é um tipo de cabelo que fica mais ressecado.

Se seu cabelo está com química, cuidado com os de consistência muito cremosa, que podem deixar os fios oleosos.

As meninas que estão na fase de transição da química para o crespo natural talvez precisem usar dois tipos de leave-in: um para atender as necessidades da parte crespa, e outro para a parte com a química.

Quando for passar o produto na parte da frente do cabelo, tome cuidado para não deixar resíduo do creme na testa (isto também vale para silicone, pomadas, óleos).

Esta região pode ficar com excesso de oleosidade e, com isso, vão aparecer espinhas. Para reduzir este risco, depois de usar o leave-in, passo loção adstringente (uso o Deep Clean da Neutrogena) com um pedaço de algodão, retirando qualquer restinho do produto que tenha ficado na minha testa.  Depois passo o filtro solar e hidratante.    

Mais uma coisa: umedeça sempre o cabelo antes de passar o leave-in.  Esta é a melhor forma de garantir todos os benefícios do produto.

Uma questão de brilho

Uma das coisas que mais estranhei quando parei com a química e assumi meus crespinhos naturais foi que meu cabelo não brilhava mais.  Passava muito silicone, na esperança de que pudesse devolver aos meus fios algo que havia perdido.

Depois de alguns meses, e conforme meu cabelo ia crescendo, comecei a entender todas as particularidades do cabelo crespo natural. Uma delas é que ele jamais terá o mesmo brilho de um cabelo naturalmente liso ou com química.

O motivo é bem simples: o formato dos fios impede que a luz reflita de forma intensa (é só lembrar da imagem de um cabelo liso ao sol para entender o que estou dizendo).

Em vez de pensar no brilho, descobri que a minha principal preocupação deveria ser manter meu cabelo saudável. Parei de usar pomadas e silicones (que em excesso danificam o bulbo capilar) e investi nos benefícios dos óleos vegetais.

Sem dúvida, são os melhores amigos dos cabelos crespos naturais.  Além de serem excelentes hidratantes, ainda garantem um brilho saudável.  Gosto muito dos óleos de abacate, castanha-do-pará, coco, oliva e jojoba.

Uso estes óleos de duas formas: passo um pouco nos cabelos antes de dormir ou de manhã (após umedecer os fios com água, passo uma pequena quantidade, o equivalente a uma moeda de dez centavos, e em seguida passo o leave-in).

Na hora de comprar o óleo, certifique-se de que não contem mistura de óleos refinados e que foi prensado a frio (processo de extração que garante a preservação de todos os nutrientes).

Gosto muito dos óleos da WNF e os da Naturais da Amazônia.

Xampu desembaraçante da Avlon

Sei como é difícil acertar na escolha do xampu. Gosto de experimentar produtos de diferentes marcas, porque acho importante descobrir novas opções.

Mas após as minhas “experiências”, sempre volto para o xampu desembaraçante da Avlon. Já falei sobre ele em posts anteriores, mas algumas meninas pediram mais detalhes.

Logo na primeira lavagem ele deixa o cabelo mais soltinho, os dedos deslizam entre os fios. Percebo, também, que como o cabelo fica mais hidratado, não preciso exagerar na quantidade de condicionar (o que acontece com outros xampus). 

Uma das promessas do produto, que vem escrita no rótulo, é hidratar, além de diminuir as quebras reduzindo a fricção entre os fios. O que de fato acontece. Ele é ótimo para cabelos crespos e para os quimicamente tratados.

O xampu desembaraçante da Avlon só tem um defeito (se é que se pode chamar de defeito). É preciso enxágua-lo muito bem, retirando todo o resíduo do produto.

Os resíduos do xampu impedem a absorção de outros produtos, como o condicionar ou a máscara hidratante. Com o passar do tempo, em vez de hidratado, o cabelo fica ressecado. 

Na verdade, este é um cuidado que você deve tomar com todos os produtos: enxaguar bem, até que passe os dedos entre os fios e não sinta mais a presença do produto.  

 

Onde encontrar

Os produtos da Avlon não são muito fáceis de encontrar, porque a empresa costuma vender mais para salões de beleza.  

Quem mora em São Paulo vai achar toda a linha da marca na loja Hawai Black Power na Galeria do Rock – R. 24 de maio, 62. Tel.: (11) 3223-6906.

Para saber onde encontrar no seu bairro ou cidade ligue para (11) 4075-8340.

Toalha de microfibra para secar os cabelos

Já faz algum tempo que ouço sobre os benefícios de secar os cabelos com toalha de microfibra em vez de algodão.

O que muitos cabeleireiros e até dermatologistas afirmam é que a toalha de algodão pode danificar a cutícula dos fios durante a secagem, principalmente se você tem o hábito de friccionar bem a toalha.

A cutícula é a parte externa do fio e se divide em várias camadas (lembra escama de peixe). É como se fosse uma “pele” que protege a estrutura interna do cabelo.  Ela é responsável pelo brilho e maciez. Quando está danificada, o cabelo fica com aspecto de mal cuidado.

O tão odiado frizz (arrepiado) também é um dos resultados de secar os cabelos com a toalha de algodão.

Por tudo isso, decidi experimentar a toalha de microfibra ou toalha de secagem rápida (é assim que é chamada nas lojas de esporte). Comprei a minha na Decatlon e paguei R$ 29,90.

Já usei duas vezes e percebi que o frizz diminuiu um pouco. É claro que ainda preciso usar mais e fazer minha irmã de cobaia (por que cabelo dela é mais comprido) para observar bem os efeitos.

Mas só de saber que não vou danificar mais a cutícula do meu cabelo, já vale a pena.

Se alguém usa esta toalha e obteve bons resultados, deixe um comentário. Sempre é bom trocar informações e ouvir outras experiências.

Esta é a “carinha” da cutícula

É assim que a cutícula fica quando está danificada

Alisamento e relaxamento

Este post é a continuação do Cabelo com química, em que falei de forma mais abrangente sobre os procedimentos químicos. Hoje vou dar informações específicas sobre alisamento e relaxamento.

Uma das primeiras coisas que você deve saber é que nos dois procedimentos é usado o mesmo tipo de produto: hidróxido de sódio, hidróxido de guanidina ou amônia.

Então onde está a diferença? Segundo Maria Angela Veríssimo, responsável pelo departamento técnico da Avlon, o que muda é a quantidade de produto utilizada, o tempo de ação e a forma de aplicação.

Embora nos dois casos haja mudança na estrutura dos fios, no alisamento, como o próprio nome já diz, os fios ficam “retinhos”. Já no relaxamento, é mantida a curvatura dos fios (mais ou menos enrolados de acordo com o gosto do cliente).

 

Para qual tipo de cabelo é indicado?

Se você tem o cabelo crespo, muito crespo ou carapinha, pode fazer o alisamento. 

O relaxamento é indicado apenas para cabelos crespos ou muito crespos, porque o fio é em forma de espiral. Como neste procedimento a química é mais suave, apenas para soltar os cachos, os fios precisam ter curvatura, senão a química não trará o resultado desejado.

Por este motivo, pessoas com cabelo carapinha devem evitar o relaxamento, uma vez que o tipo de cabelo não forma cachos (o fio é em formato de ziguezague). O resultado pode ser pior ainda se a química tiver amônia. O cabelo vai ficar com aparência de mal alisado, em função da aplicação do produto inadequado ao tipo de cabelo.

Hoje os cremes de alisamento são menos agressivos porque contem na sua formulação emolientes que ajudam a hidratar os fios. Também durante o processo, especialmente na hora do enxágüe, é feita uma hidratação para recuperar os fios.

 

Retoque

Quando o cabelo começa a crescer e a raiz crespa se manifesta (uma amiga minha se refere a este momento como “a mãe África me chama”) muitas mulheres correm para o salão para fazer o retoque.

O tempo para retocar a raiz é de 60 até 90 dias. Quanto mais suave for o produto utilizado, maior pode ser o intervalo de retoques. Antes de 60 dias, nem pensar. Já ouvi meninas contanto que fazem todo mês. Esta é a melhor maneira para destruir os cabelos.

O retoque é sempre feito da raiz até onde o cabelo virgem se encontra com a parte alisada. O profissional deve proteger o couro cabeludo (com produto específico para isso) e proteger, também, a parte já alisada.

Na hora do retoque, a química não pode ser passada novamente no restante do cabelo que já tinha química. O que pode enfraquecer e provocar quedas nos fios

 

Incompatibilidade de produtos

Muitas mulheres acreditam que a química é como o xampu, é só lavar que o produto sai dos cabelos. Infelizmente, todo procedimento químico é irreversível. “A parte alisada vai continuar alisada, não importa quanto tempo fique sem passar o produto novamente. É um processo permanente, que muda a estrutura do fio para sempre”, diz a especialista da Avlon, Maria Angela.

Isto significa que se quiser mudar de química, terá que esperar o cabelo crescer e cortar a parte alisada. Nem pensar em misturar químicas diferentes. Mesmo que o cabeleireiro diga que não tem problema. Se profissional disser que dá até para fazer escova progressiva, saia correndo do salão e não olhe para trás (vou falar mais tarde sobre a progressiva).

Se ficar em dúvida, consulte uma segunda opinião, mas não se arrisque.  

Para quem vai alisar o cabelo pela primeira vez, só dou um conselho: informe-se sobre o produto, o salão, o profissional. Não acredite em tudo o que lhe dizem, quanto mais conhecimento tiver, mais acertadas serão as suas escolhas.  

Ufa! Sei que o post ficou enorme, mas era tanta informação. Se não expliquei bem alguma coisa ou tiveram dúvidas, escrevam nos comentários, ok?

Máscara hidratante da Éh Cosméticos

Sempre via os produtos da Éh nos supermercados e nas farmácias, mas não tinha coragem de comprar. Até que duas semanas atrás decidi investir na Máscara Hidratante Cashmere e Absoluto de Coco para cabelos ressecados (paguei R$ 11).

O que chamou atenção? É um produto totalmente orgânico, que contém óleos naturais, sem ingredientes a base de petróleo e com ativos vegetais.

Lavei os cabelos, passei a máscara e deixei agir por 20 minutos.  A primeira coisa que me incomodou foi o cheiro forte adocicado. Gosto de produto com aroma mais suave.

Depois do enxágue, quando passava as mãos nos cabelos, senti que ficaram macios. Deixei os fios secarem naturalmente, mas percebi que não ficaram muito hidratados.

Usei a máscara mais uma vez e ainda fiz a minha irmã de cobaia, também pedi que experimentasse o produto. O resultado também foi o mesmo: a hidratação não foi tão profunda. Como sei? Quando passo uma máscara que realmente hidrata, meu cabelo forma os cachos, mesmo sem aplicar o leave in.  

Como cada cabelo pode reagir de um jeito diferente em relação aos produtos (às vezes pode funcionar bem para cabelos lisos e não para crespos), gostaria de saber se alguém mais já experimentou esta máscara e o que achou.