Diferença entre leave-in e creme para pentear

Algumas meninas perguntaram a diferença entre leave-in e creme para pentear (ou condicionador sem enxágue). Na verdade, não existe diferença alguma. É o mesmo produto com nomes diferentes: um em inglês e outro em português.

O leave-in foi lançado no final dos anos de 1990 e considero uma das invenções de maior impacto para o segmento de cabelos étnicos.  Antes do leave-in o que nos restava? Pomadas pesadas e ceras a base de petróleo que deixavam o cabelo gorduroso.

Alguém se lembra do Óleo de Lavanda Bourbon? Pois era o que eu usava. Passava nos cabelos após a lavagem, ou antes de passar a chapinha. Deixava um cheiro maravilhoso nos fios, mas era a única alternativa (sei que a Ikesaki ainda vende este óleo).

O que o leave-in tem de bom?

- É um produto que altera a aparência do cabelo crespo, deixando-o muito mais maleável

- Controla o ressecamento dos fios, devolvendo oleosidade natural perdida entre as lavagens

- Nutre e revitaliza cabelos danificados, porque contem proteínas, vitaminas, extratos de frutas e óleos essenciais

- Protege os fios contra os danos do meio ambiente

- Deixa o cabelo mais fácil de desembaraçar

- E o melhor de tudo: possibilita que nosso crespinho natural fique solto, com os cachos definidos e volume na medida certa!

Existe uma grande variedade do produto no mercado, e você pode encontrá-lo com diferentes consistências – de cremosa a líquida.

O segredo do leave-in é descobrir a consistência certa para seu cabelo e a qual a quantidade que deve usar todos os dias (portanto, não tenha medo de experimentar vários produtos).

Além disso, analise os ingredientes contidos na fórmula. Sempre dou preferência aos que contém maior quantidade de produtos naturais como óleos de abacate, jojoba, coco, vitaminas A e E, óleos essenciais e queratina.

Já experimentei as versões líquidas, mas não deram certo. Para meu cabelo, o mais indicado são os de consistência cremosa.

Cuidados

Como o leave-in forma uma película protetora ao redor dos fios, é bom evitar o contato do creme com o couro cabeludo, para não provocar o aumento de sebo.

Quem tem cabelo crespo natural, pode aplicá-lo em toda a extensão do fio, uma vez que é um tipo de cabelo que fica mais ressecado.

Se seu cabelo está com química, cuidado com os de consistência muito cremosa, que podem deixar os fios oleosos.

As meninas que estão na fase de transição da química para o crespo natural talvez precisem usar dois tipos de leave-in: um para atender as necessidades da parte crespa, e outro para a parte com a química.

Quando for passar o produto na parte da frente do cabelo, tome cuidado para não deixar resíduo do creme na testa (isto também vale para silicone, pomadas, óleos).

Esta região pode ficar com excesso de oleosidade e, com isso, vão aparecer espinhas. Para reduzir este risco, depois de usar o leave-in, passo loção adstringente (uso o Deep Clean da Neutrogena) com um pedaço de algodão, retirando qualquer restinho do produto que tenha ficado na minha testa.  Depois passo o filtro solar e hidratante.    

Mais uma coisa: umedeça sempre o cabelo antes de passar o leave-in.  Esta é a melhor forma de garantir todos os benefícios do produto.

Descubra qual é o seu tipo de cabelo crespo

Sempre tive curiosidade de saber mais sobre o meu tipo de cabelo. Em casa, eu e minhas irmãs (são duas) sempre “disputávamos” para ver quem tinha o cabelo mais crespo. Para aumentar a “competição”, minha mãe contava os malabarismos que fazia para lavar, pentear e trançar três cabeças de meninas que viviam fazendo careta só de olhar para o pente (é verdade que de vez em quando ela se esquecia de que tínhamos orelhas e passava o pente sem dó).
Sempre achei que o meu cabelo era muito crespo, mas na “disputa”, minha irmã mais velha era a eterna campeã. Brincávamos que o cabelo dela era uma espécie de carapaça, praticamente impermeável (brincadeirinha!). Hoje, depois de tantos anos, resolvi acabar com essa dúvida. E o que descobri vou passar agora para vocês.

Segundo a cabeleireira Solange Dias, existem quatro tipos de cabelo crespo: o kinky, o carapinha, o muito crespo e o crespo. Para saber qual é o seu tipo, veja as características e os cuidados que cada um requer. Vale lembrar que estou considerando o fio natural, não quimicamente tratado, ok? (se seu cabelo estiver com química, espere até que cresça alguns centímetros para poder avaliá-lo)

- Kinky: o nome é em inglês porque não encontrei uma palavra em português que o traduzisse melhor. É o mais crespo de todos, crespíssimo mesmo. Os fios geralmente são finos, em forma de ziguezague, costumam ter pouca densidade (isto que dizer que quando ele é alisado, fica com pouco volume).

Existe uma crença de que o cabelo crespo é forte, no caso do kinky é pura fantasia. Entre os crespos é o cabelo mais frágil e o mais seco, quebra com muita facilidade. Embaraça constantemente e também forma nós.

Lavar os fios com xampu comum, nem pensar! Só penteie e desembarace os cabelos quando estiverem úmidos (o excesso de água impede que haja uma boa absorção do condicionador). O ideal, segundo Solange Dias, é usar xampu desembaraçante, passar condicionador, leave-in (condicionador sem enxágue) e pomada na raiz do cabelo (assim o couro cabeludo ficará umidificado, o que ajudará no crescimento dos fios). Seguindo este processo, depois de algum tempo, os cabelos ficarão mais soltos e maleáveis na hora de pentear.

 

O kinky da cantora Zolani Mahola (vocalista da banda africana Freshlyground). Você se lembra da música Waka Waka, o hino da Copa do Mundoa na África? Então, é ela que aparece cantando com a Shakira no vídeo.

- Carapinha (ou encarpinhado): este seria um pouco menos crespo do que o kinky, mas ainda é crespíssimo. Por isso, as características citadas para o kinky também vale para o carapinha. Os fios podem ser finos, médios ou grossos. Quem tem este tipo de cabelo é melhor consultar um profissional antes de utilizar alguma química, porque ele quebra com facilidade.

O processo de lavagem é: xampu sem sal, condicionador, leave-in e pomada na raiz. A pomada é um produto chave porque vai deixar os fios mais fofos e fáceis de manusear. Use leave-in todos os dias.

 A performática Shingai Shoniwa (cantora da banda inglesa Noisettes - adoro!) prova que o cabelo carapinha pode ser cheio de estilo

- Muito crespo: como característica principal, os fios deste tipo de cabelo crescem em forma de espiral da raiz até as pontas (diferente dos encaracolados que crescem lisos na raiz e formam os cachos ao longo dos fios). O cabelo muito crespo, que pode ser fino, médio ou grosso, costuma ser bem desidratado porque a curvatura dos fios dificulta o processo natural de hidratação.

Desembarace os fios após as lavagens, quando o cabelo estiver úmido, e com pente de dentes largos. O processo de lavagem segue o mesmo dos anteriores, e pomada da raiz às pontas. Leave-in todos os dias (santo leave-in!). E evite o secador, porque deixará o cabelo arrepiado. O melhor é deixar que os fios sequem naturalmente.

Um bom exemplo de cabelo muito crespo: a contrabaixista e cantora Esperanza Spalding (voz maravilhosa!)

- Crespo: nos cabelos crespos os fios também crescem em forma espiral, só que é uma espiral com a curvatura mais larga. É um cabelo mais maleável, porém apresenta os mesmos problemas do muito crespo. Do que ele gosta? Hidratar, hidratar e hidratar, pelo menos uma vez por semana (na verdade, isto vale para todos os crespos).

Procure produtos que tenham na sua formulação óleos emolientes que vão nutrir e deixar os fios mais soltos. Também escolha xampus e condicionadores sem sal. Só penteie os fios no dia da lavagem, nos outros dias você já sabe: passe leave-in e desembarace os fios com dos dedos. 

A cantora britânica Corinne Bailey Rae e sua cabelereira como exemplo de crespo (dê uma olhada no vídeo Paris Nights, New York Mornings, o visual dela está incrível. Eu quero tudo: o vestido, a maquiagem e os cabelos ao vento)